Livro completo "Chegou a Hora"

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Ellen G. White


Ellen G. White, a Mensageira do Senhor

Praticamente desde o início da Igreja Adventista do Sétimo Dia, seus membros têm crido que Ellen White foi uma pessoa inspirada por Deus. Os pioneiros da igreja, logo perceberam que, quando seguiam os conselhos dos profetas prosperavam e eram abençoados; mas quando não seguiam, vacilavam e tropeçavam.
“Desde 1844, quando contava com apenas 17 anos de idade, até 1915 – ano de sua morte – ela recebeu mais de duas mil visões.” Nisto Cremos, pág. 285.
Ela escreveu mais de 100.000 páginas manuscritas e estas “parecem suportar plenamente os testes bíblicos de um profeta verdadeiro e de trazer em seu próprio bojo as evidências de que provêm de uma fonte divina.” Uma Nova Era Segundo as Profecias do Apocalipse, pág. 422.
“Existem atualmente mais de 100 livros e 160 panfletos escritos por Ellen G. White ou compilados de seus escritos,” diz o Professor Alberto R. Timm, ex-diretor do Centro de Pesquisas Ellen G. White do Brasil.
“A abrangência desse material é assombrosa. O conhecimento de Ellen White não se limitava a algumas áreas específicas. O Senhor transmitiu-lhe conselho em assuntos como saúde, educação, vida familiar, temperança, evangelismo, ministério de publicações, dieta adequada, obra médica e outras áreas. Talvez seus escritos no campo da saúde tenham sido os mais extraordinários, uma vez que a iluminação por ela recebida, em parte há mais de um século, tem sido comprovada através da moderna ciência.” Nisto Cremos, pág. 288.
Existem alguns livros maravilhosos editados em português: Primeiros Escritos, Patriarcas e Profetas, Profetas e Reis, O Desejado de Todas as Nações, Atos dos Apóstolos, O Grande Conflito, O Maior Discurso de Cristo, Parábolas de Jesus, Caminho a Cristo e dezenas de outros.
O livro Caminho a Cristo já foi traduzido para 145 línguas e dialetos, fazendo com que Ellen White tenha se tornado o quarto autor mais traduzido na história da literatura até o momento, e a escritora (do sexo feminino) mais traduzida no mundo.
Já no final de sua vida declarou: Permaneça eu viva, ou não, meus escritos falarão constantemente e sua obra continuará enquanto durar o tempo. Conselhos Para a Igreja, 20.
Inumeráveis pessoas utilizam seus livros e se espantam com o conhecimento que ela tinha em tão diferentes assuntos na época em que viveu.
William Foxwell Albright (1891-1971) era da América – e talvez do mundo – o principal e mais importante arqueólogo do século vinte. Ele recebeu seu Ph. D. (Doutorado em Filosofia) na Johns Hopkins University com 25 anos de idade, e durante os cinqüenta anos seguintes recebeu vinte e cinco doutorados “honorary” (doutorados de honra) de faculdades, universidades e seminários de fé protestante, católica romana e judaica. Ele escreveu mais de oitocentas publicações sobre arqueologia, a Bíblia, e assuntos orientais. Na década de 1950 um de seus candidatos ao doutorados na Johns Hopkins (o já falecido Alger Johns), pôs o Dr. Albright em contato com os escritos de Ellen White. Sua curiosidade foi despertada, o famoso arqueólogo empreendeu-se em sua própria investigação da vida, obra, e reivindicações de Ellen White. E em seu livro “From the Stone Age to Christianity” ( Da Idade da Pedra ao Cristianismo), Dr. Albright citou a Sra. White como um dos cinco indivíduos a quem ele considerava como sendo autênticos “profetas” durante os últimos 250 anos. Citado por Roger W. Coon no livro “Um Dom de Luz”, pág. 59.
Como adventista do sétimo dia, me sinto feliz em ter Ellen G. White como uma das pioneiras da igreja. Tenho certeza de que ela foi uma pessoa inspirada por Deus para nos trazer luz sobre os últimos acontecimentos da história de nosso mundo.
Creio que ela foi divinamente usada durante sua vida e ainda é através dos seus escritos. É importante lembrar que mais do que a habilidade de um profeta prever o futuro (o que ocorria algumas vezes), seu principal objetivo era, simplesmente, ser um mensageiro de Deus. E sempre que o povo de Israel cria nos profetas de Deus, prosperavam (II Crônicas 20:20).
O dom de profecia não era restrito aos homens. Na Bíblia temos entre outros os exemplos de Míriã (Êxodo 15:20); Débora (Juízes 4:4); Hulda (II Reis 22:14); e até mesmo no tempo de Jesus, o livro de Lucas menciona uma profetisa chamada Ana (Lucas 2:36) e o livro de Atos fala de Filipe que tinha 4 filhas profetisas (Atos 21:8 e 9).
A própria Bíblia diz que haveriam profetas nos últimos dias:
E acontecerá depois que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos velhos sonharão, e vossos jovens terão visões.” (Joel 2:28)
Na verdade um dos dons que foram prometidos à igreja cristã foi o dom de profecia.
“E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo.” (Efésios 4:11,12)
Ellen Gold Harmon (nome de solteira de Ellen G. White) quando menina recebeu uma pedrada que lhe quebrou o nariz e quase morreu. Esse golpe a deixou entre a vida e a morte. A sua recuperação foi lenta e nunca mais foi capaz de freqüentar a escola regularmente.
Em dezembro de 1844 teve sua primeira visão, sobre o clamor da meia-noite. Você pode conhecer essa visão lendo o livro “Primeiros Escritos”.
Desde esta data até sua morte em 1915 ela esteve ativa, escrevendo sobre os mais diferentes assuntos. E ainda hoje seus livros são usados em faculdades e universidades.
É quase impossível ler os livros de Ellen White, sistematicamente, sem sentir a convicção de que eles são inspirados.
Cientificamente ela estava muito à frente de seu tempo. Só há pouco tempo a ciência está chegando às declarações que ela fez no século XIX. Naquela época ela falou sobre as causas do câncer, sobre os perigos do colesterol, sobre as ameaças à saúde provocadas pelo álcool e pelo tabaco, sobre a influência pré-natal.
Algumas de suas declarações falando sobre as “correntes elétricas no sistema nervoso” só foram compreendidas muitos anos depois:
“Os nervos cerebrais que se comunicam com todo o organismo são os únicos meios pelos quais o Céu se pode comunicar com o homem, e influenciar sua vida mais íntima. Seja o que for que perturbe a circulação das correntes elétricas no sistema nerevoso, diminui a resistência das forças vitais, e o resultado é um amortecimento das sensibilidades da mente.” – Testemunhos para a Igreja, volume 2, pág. 347.
Na época em que ela fez essa afirmação, isso parecia absurdo. Mas em 1929, Hans Berger, inventou um aparelho para medir a atividade elétrica do cérebro, o eletroencefalograma. Hoje milhares de laboratórios interpretam as tabelas de descargas elétricas dos cérebros humanos.
No dia 12 de janeiro de 1861, três meses antes do início da Guerra Civíl americana, Ellen White recebeu uma visão na igreja de Parkville, Michigan, em que lhe foram mostrados campos de batalha cobertos de mortos e moribundos. Relatando o que vira em visão, ela disse:
“Nesta casa, há homens que perderão seus filhos, nessa guerra.” – Ellen G. White: The Early Years, Vol. 1, pág. 463.
Pelo menos cinco famílias que estavam presentes naquele dia perderam filhos na guerra civil.
Outra predição de Ellen White foi feita em 1885:
“Quando o protestantismo enstender os braços através do abismo, afim de dar uma das mãos ao poder romano e a outra, ao espiritismo; quando, por influência dessa tríplice aliança, os Estados Unidos forem induzidos a repudiar todos os princípios de sua Constituição, que fizeram deles um governo protestante e republicano, e adotar medidas para a propagação dos erros e falsidades do papado, podemos saber que é chegado o tempo das operações maravilhosas de Satanás e que o fim está próximo.” – Testemunhos para a Igreja, Vol. 5, pág. 451.
“Quando ela escreveu essas palavras, os protestantes e católicos viviam em guerra uns com os outros. Em 1885, o movimento ecumênico ainda estava longe no futuro, mas os tempos mudaram muito. Só um exemplo: em 29 de março de 1994, 39 líderes protestantes evangélicos e católicos romanos assinaram um documento intitulado “Evangélicos e Católicos juntos: A Missão Cristã no Terceiro Milênio.” O Dom Profético nas Escrituras e na História Adventista, pág. 86.
“Por mais de 150 anos, os adventistas têm advertido o mundo sobre a reconciliação entre católicos e protestantes que se aproximava – mesmo quando todas as indicações políticas e religiosas faziam parecer impossível essa reconciliação. Hoje, evidentemente, o impossível se tornou quase inevitável, pois vez após outra católicos e vários protestantes estão se unindo em toda uma infinidade de assuntos.” O Dom Profético nas Escrituras e na História Adventista, pág. 87.
Ellen G. White foi importantíssima para a formação e desenvolvimento da Igreja Adventista do Sétimo dia. Seus livros nortearam a igreja nos campos da educação, da saúde e principalmente no estudo da Bíblia Sagrada.
Ela era amante da Bíblia e esta era seu livro principal de estudo.
“Perto do fim de sua vida, a serva do Senhor, com quase 82 anos de idade, assistiu à sessão da Associação Geral de 1909, realizada em Washington, D.C. Foi a última de que participou. O Pastor Elder W. A. Spicer, secretário da Associação Geral, relembrou as últimas palavras da Sra. White aos delegados.
‘Ela foi à plataforma, no último dia da sessão, para dizer algumas palavras de ânimo e despedida, e então se dirigiu ao púlpito, onde havia uma Bíblia. Abriu o livro, e o segurou com as mãos trêmulas, devido à idade. E disse: Irmãos e irmãs, eu vos recomendo este livro.’
Sem nenhuma outra palavra, fechou o livro e retirou-se da plataforma. Foram suas últimas palavras na assembléia mundial da igreja remanescente.” Revista Adventista, novembro de 2004, 10.
Ela nunca escreveu nada que contradissesse a Bíblia Sagrada. Não testamos a Bíblia com base nos escritos dela, mas sim os escritos dela com base na Bíblia. Ela disse que seus escritos eram uma luz menor para guiar as pessoas à luz maior: a Palavra de Deus.
A Sra. White fez muitas previsões com base na inspiração do Espírito Santo. Não havia margem de erro. Entre elas ela previu uma guerra civil nos Estados Unidos. Em uma época que até os especialistas afirmavam aos americanos que não haveria uma guerra civil, ela fez uma declaração impressionante: “Em breve nossa nação estará em conflito e desordem.” Olhando para as pessoas na igreja onde estava, declarou: “Alguns de vocês perderão os filhos na guerra.”
Muitas de suas profecias têm se cumprido em nossos dias. E eu pessoalmente creio que as demais ainda se cumprirão.
A melhor forma de você decidir se Ellen White foi ou não uma pessoa inspirada por Deus, é lendo seus livros. Cada um tem os seus livros preferidos, e eu vou recomendar alguns dos meus: História da Redenção, Caminho a Cristo, O Desejado de Todas as Nações, O Grande Conflito entre outros. Todos são publicados pela Casa Publicadora Brasileira.
E para você que deseja ser mais semelhante a Jesus; que quer ter uma experiência mais profunda com Deus; uma vida mais saudável; quer ampliar o seu conhecimento da Bíblia; ter mais comunhão com Deus, estude a Bíblia e os escritos dessa mensageira.

“Crede no Senhor vosso Deus, e estareis seguros; crede nos Seus profetas e prosperareis.” (II Crônicas 20:20)
Se quiser entrar em contato comigo: jonatan.conceicao@gmail.com

Provas de um verdadeiro profeta




O DOM DE PROFECIA





Logo no primeiro lívro da Bíblia temos o relato da criação do homem. Podemos perceber como Deus conversava livremente com os primeiros seres humanos. O próprio Deus deu as primeiras instruções sobre a maneira de viver, para Adão e Eva. (Gên. 1:28 e 29)
Infelizmente essa comunicação face a face foi perdida pelo pecado. O pecado separou o homem de Deus e esse sistema de comunicação ficou de certa forma interrompido. As vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o Seu rosto de vós. (Isa. 59:2)
Mas Deus não parou de se comunicar com o homem. Na realidade ele falou e fala aos seres humanos muitas vezes e de muitas maneiras como bem afirma o apóstolo Paulo em Hebreus 1:1. Deus ainda fala aos seres humanos através de suas obras, que chamamos de “natureza”. Ele também se comunica por meio do Espírito Santo, falando à consciência de cada um. E nos falou e fala por meio de Jesus Cristo, que de fato era e é um com Deus.
Mas Deus acrescentou ao Seu sistema próprio de comunicação um plano que envolvia a intermediação humana: Ele falou muitas vezes e de muitas maneiras... por meio dos profetas. (Heb. 1:1-3)
Nos chamados tempos bíblicos do Antigo Testamento, o povo de Deus aprendeu a ouvir e crer nos profetas. O conselho era e aínda é: Crede no Senhor, vosso Deus, e estareis seguros; crede nos Seus profetas e prosperareis. (II Crôn. 20:20). Este era o grande segredo: crer em Deus e nos seus profetas.
Os profetas eram conhecidos por diversos nomes: vidente (I Sam. 9:9), profeta (Jer. 7:25), mensageiro do Senhor (Ageu 1:13), a Voz (João 1:23), entre outros.
“Hoje nós, geralmente associamos a função de profeta com a predição de eventos futuros, mas nos tempos bíblicos o profeta se envolvia em um amplo conjunto de atividades espirituais. O profeta tinha muitas funções. 1 – Eles falavam por Deus. 2 – Revelavam os propósitos de Deus. 3 – Fortaleciam e orientavam os governantes. 4 – Encorajavam as pessoas a fortalecerem a fé. 5 – Protestavam contra os males. 6 – Dirigiam atividades. 7 - Ensinavam. 8 – Serviam como consultantes e conselheiros para cada fase de atividades nacionais e individuais. 9 – Davam advertências. 10 – Condenavam o pecado. 11 – Pronunciavam os julgamentos de Deus. 12 – Às vezes, realizavam milagres. 13 – Pregavam. Além do mais, seu ministério não era limitado à nação hebraica. Deus usou alguns para ganharem nações gentílicas à sua verdade.” Um Dom de Luz, pág. 19.
Na verdade, o “profeta” foi a forma mais reconhecida de comunicação divina, ou seja, os profetas eram os representantes oficiais de Deus perante Seu povo. Sua obra era receber a mensagem divina e transmití-la fielmente. Certamente o Senhor Deus não fará coisa alguma, sem primeiro revelar o Seu segredo aos Seus servos, os profetas. (Amós 3:7) O Senhor, Deus de seus pais, começando de madrugada, falou-lhes por intermédio dos Seus mensageiros, porque Se compadecera do Seu povo. (II Crônicas 36:15)
De fato no Novo Testamento, a palavra grega “prophetes”, equivalente a “nabi” do Antigo Testamento, é transliterada como “profeta”. Seu sentido básico é “falar em nome de”. O verdadeiro “profeta”é aquele que fala em nome de Deus. Mensageira do Senhor, pág. 10.
A própria Bíblia nos adverte a levarmos em máxima conta a mensagem dos profetas. Em I Tessalonicenses 5:19-21 encontramos o conselho Não extingais o Espírito. Não desprezeis as profecias; examinai tudo. Retende o bem.
O problema é que nem todos os que se dizem profetas, realmente são profetas de Deus. Aliás, o próprio João advertiu aos cristãos: Amados, não creiais a todo espírito, mas provai se os espíritos são de Deus; porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo. (I João 4:1)
Como é possível, então reconhecer um profeta verdadeiro? Ou como sugere João, como provar se o profeta é verdadeiro ou não?
Paulo nos lembra da advertência de Cristo: Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores. Pelos seus frutos os conhecereis. (Mat. 7:15)
Devemos analisar a obra do profeta e verificar qual foi e tem sido os resultados de seu ministério.

Provas Bíblicas do Profeta Verdadeiro




Existem algumas provas para se testar um profeta verdadeiro:
1. Prova das Predições Crumpridas. “O profeta que profetizar paz, só ao cumprir-se a sua palavra, será conhecido como profeta, de fato, enviado pelo Senhor. (Jer. 28:9)
Quantos “profetas de fim de ano” não resistiriam nem alguns meses a esta prova.
2. Prova de Harmonia com a Bíblia. “É óbvio que Deus não coloca contradições conceituais dentro de Seu sistema de comunicação. Nem dá aos profetas posteriores um botão para “cancelar” ou “apagar”. A imutabilidade de Deus se refletirá nas suas revelações a homens e mulheres.
Isaías chama a atenção para o fato de que os profetas verdadeiros serão provados por sua fidelidade às revelações anteriormente escritas: À lei e ao testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, é porque não há luz neles. (Isaías 8:20)
A Lei (no Hebráico, torah) é o termo bíblico usual para os escritos inspirados de Moisés (Deuteronômio 4:44, 45; 31:9); o testemunho se refere ao testemunho dos profetas (II Crônicas 23:11; João 3:32). Em outras palavras, o que o profeta diz deve se harmonizar com o que Deus já revelou. Embora profetas posteriores possam revelar pensamentos adicionais com respeito ao plano da salvação, eles não entrarão em contradição com o que Deus disse antes. A imutabilidade de Deus (Malaquias 4:6) está em jogo em Suas revelações à humanidade.” O Dom Profético nas Escrituras e na História Adventista, pág. 70.
“A Bíblia não é apenas a verdade inspirada, é também a norma decisiva de qualquer pretensão à inspiração.” Mensageira do Senhor, pág. 30.
3. Prova dos Frutos. O cenário para a prova dos frutos encontra-se no Sermão da Montanha, que trata especificamente dos “falsos profetas”: Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos, porém a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa produzir frutos maus, nem a árvore má produzir frutos bons. ... Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis. (Mat. 7:15-20)
“A prova mais válida da autenticidade de um profeta são os resultados de seus ensinos.” Mensageira do Senhor, pág. 31.
Esta prova pode levar algum tempo para se evidenciar, mas ela é fundamental para provar se o profeta é verdadeiramente de Deus ou um falso profeta.
4. Testemunho Inequívoco da Natureza Divino-Humana de Jesus Cristo. João assim orienta a prova do profeta: Amados, não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora. Nisto reconheceis o Espíritos de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; e todo espírito que não confessa a Jesus não procede de Deus. (I João 4:1-3)
“Essa prova é mais ampla do que simplesmente crer que Jesus Se tornou um ser humano. Inclui tudo o que a Bíblia ensina sobre Jesus. Ele assumiu a natureza humana para um propósito. Tornou- Se homem a fim de viver sem pecado, e então, morrer pela humanidade pecaminosa. Mais que isto, Ele se tornou homem a fim de, depois da ressurreição e ascensão, poder ministrar por nós no santuário celestial. Nosso Sumo Sacerdote é alguém que pode nos entender e simpatizar com nossas debilidades, porque foi tentado em todos os sentidos em que os seres humanos são tentandos (Hebreus 4:14 e 15).” O Dom Profético nas Escrituras e na História Adventista, pág. 70.
“Toda a verdade sobre a razão da vinda de Jesus, a razão por que Ele se tornou nosso Salvador e Exemplo, por que morreu e agora oficia como nosso Sumo Sacerdote – tudo isso está envolvido na prova de um profeta verdadeiro.” Mensageira do Senhor, pág. 32
Existem também algumas manifestações físicas que acompanham o profeta quando em visão. O livro de Números 24:2-4 fala sobre essas manifestações “não naturais”: Palavra de Balaão, filho de Beor; palavra do homem de olhos abertos; palavra daquele que ouve os ditos de Deus, e o que tem a visão do Todo-poderoso, e prostra-se, porém, de olhos abertos.”
A Bíblia menciona diversas dessas manifestações na vida de seus profetas: Daniel, Ezequiel, Zacarias, o próprio Paulo e João no Novo Testamento.
O livro “Mensageira do Senhor” assim enumera essas manifestações físicas:
1. Os profetas têm consciência de que uma Pessoa sobrenatural com eles se comunica; eles sentem um senso de indignidade.
2. Os profetas freqüentemente perdem as forças.
3. Os profetas às vezes caem por terra em profundo sono.
4. Os profetas ouvem e vêem acontecimentos em lugares remotos, como se estivessem realmente presentes.
5. Os profetas às vezes não conseguem falar, mas, quando seus lábios são tocados, eles conseguem fazê-lo.
6. Os profetas muitas vezes não respiram.
7. Os profetas não têm consciência do que acontece ao seu redor, ainda que tenham os olhos abertos.
8. Os profetas às vezes recebem força suplementar durante a visão.
9. Os profetas recebem força e alento renovados quando a visão termina.
10. Os profetas ocasionalmente sofrem algum tipo de lesão física temporária como seqüela da visão. Mensageira do Senhor, pág. 28.
Esses fenômenos físicos não devem ser usados como evidência única para colocar-se à prova um profeta, pois eles podem ser falsificados.
Você poderá aprender mais desse assunto lendo o capítulo três do livro “Mensageira do Senhor” ou o capítulo seis do livro “Crede em Seus Profetas”, ambos editados pela Casa Publicadora Brasileira.

Porquê Chegou a Hora?


Chegou a Hora
Um estudo impactante sobre
a segunda vinda de Cristo à
luz da Bíblia e do Espírito de Profecia



“Pela investigação meticulosa das profecias entendemos onde estamos na história do mundo; sabemos com certeza que a segunda vinda de Cristo está próxima. O resultado dessas investigações devem ser trazido perante o mundo através da imprensa.” – Testemunhos Para a Igreja, Vol. 4, pág. 592.


Este é o motivo deste Blog. Eu creio que Deus revelou muito sobre sua segunda vinda através das profecias da Bíblia e também por meio de Ellen White. Creio que estamos vivendo nos últimos dias da história desse mundo e o Senhor nos revela o tempo em que estamos vivendo. Queridos, chegou a hora da volta de Jesus.

O material que está sendo disponibilizado neste Blog faz parte do livro "Chegou a Hora" de minha autoria. Se você quiser mais informações entre em contato comigo pelo e-mail jonatan.conceicao@gmail.com .