Livro completo "Chegou a Hora"

domingo, 10 de janeiro de 2010

A FERIDA É CURADA



A Cura de Uma Ferida
Assim como o livro de Daniel apresenta uma linha profética que se inicía nos dias de Daniel, no reino da Babilônia, o livro do Apocalipse apresenta uma linha que vai desde João até a destruição de Satanás após o milênio.
Nas visões dadas a Daniel em seu livro, ele já anteviu os reinos que dominariam a terra:






BABILÔNIA ( Dan. 2:38; 7:4)










MEDO-PÉRSIA (Dan. 2:32 e 39; 7:5)










GRÉCIA (Dan. 2:32 e 39; 7:6)











ROMA PAGÃ (Dan. 2:33 e 40; 7:7:23; Apoc 12:1 a 5)











REINOS DIVIDIDOS (Dan. 2:41 a 43; 7:24)











ROMA PAPAL (Dan. 7:24 e 25, Apoc. 13:1 a 10)




No livro de Apocalipse João também tem visões simbólicas com alguns animais (bestas). Mas nas profecias que já estudamos, as sete igrejas (Apoc. 2 e 3) e os sete selos (Apoc 6 e 8:1 a 5), notamos que Deus parece estar mais preocupado com sua igreja, que havia recebido Seu Filho nos dias de João. Há um recomeço. É o início do cristianismo. E as profecias tem como ponto de partida (na maioria delas) a igreja fundada por Cristo e seus apóstolos.
Devo dizer que o Apocalipse não é um livro fechado, mas como o próprio nome diz é um livro revelado.

“No APOCALIPSE todos os livros da Bíblia se encontram e se cumprem. Ali está o complemento do livro de Daniel. UM É UMA PROFECIA; O OUTRO É UMA REVELAÇÃO. O livro que foi selado não é o APOCALIPSE, mas a porção da profecia de DANIEL relativa aos últimos dias.” - Atos dos Apóstolos, pág. 585.

“...o Apocalipse é o suplemento de Daniel.” - Mensagens Escolhidas, vol. 2, pág. 114.

“O livro de DANIEL é descerrado na revelação a João, e nos transporta para as ÚLTIMAS CENAS DA HISTÓRIA DA TERRA. Terão nossos irmãos em mente que estamos vivendo em meio aos perigos dos últimos dias? LEDE APOCALIPSE EM CONEXÃO COM DANIEL.” - Testemunhos Para Ministros e Obreiros Evangélicos, pág. 115.

Tendo em vista estes conselhos, vamos dar uma rápida olhada em Apocalipse 12 e 13. Perceberemos por meio destas profecias que estamos vivendo nos últimos dias da história deste planeta de pecado.
Vamos analizar o que o Apocalipse fala dessa fase de Roma Papal e o próximo poder que afetaria o povo de Deus.
Apocalipse 12 descreve a guerra que houve no céu entre Deus e Seus anjos e Satanás e seus anjos maus. Aqui Satanás é descrito como um dragão que lidera 1/3 dos anjos do céu. A igreja pura de Deus é descrita como uma mulher.
Nesta guerra descrita em Apocalipse 12:7 a 9 , Satanás é expulso do céu e é atirado para a Terra.

“Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e seus anjos; todavia, não prevaleceram; nem mais se achou no céu o lugar deles. E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a terra, e, com ele, os seus anjos.” Apocalipse 12:7 a 9
Assim que Satanás foi atirado para a terra começou a perseguir os que fazem parte do povo de Deus.
“Quando, pois, o dragão se viu atirado para a terra perseguiu a mulher que dera à luz o filho varão.” Apocalipse 12:13
Satanás começou a perseguir a igreja do Filho de Deus - Jesus Cristo. Para efetuar essa perseguição ele tem usado os poderes da Terra.
“Por exemplo, ele usou Babilônia para levar Judá para o cativeiro e destruiu Jerusalém. Satanás usou a Pérsia, nos dias da rainha Ester, na tentativa de aniquilar Israel. Ele usou a Grécia, nos dias de Antíoco Epifânio, para tentar destruir a religião judáica e matou ou vendeu como escravaos cerca de 80.000 habitantes de Jerusalém. Satanás usou, mais tarde, Roma, na tentativa de matar a Jesus ainda menino e posteriormente ordenou sua execução 31 anos depois. Quatro décadas mais tarde Roma foi usada como o veículo de destruição de Jerusalém e do Templo, e o martírio e a perseguição da recém iniciada igreja Cristã. Durante a Idade Média Satanás usou a igreja estatal, o Papado, para impedir a disseminação do evangelho, da fé e do estudo das Escrituras, e perseguiu aqueles que mantinham as verdades bíblicas em oposição a tradição eclesiástica.” The Lamb Among The Beasts, pág. 195.
Note que Satanás usou até a própria igreja, que se afastou da verdade, para perseguir os fieis seguidores de Cristo. Mas isto também já estava profetizado tanto por Daniel, como por Paulo e claro por João.
“E foram dadas à mulher as duas asas da grande águia, para que voasse até ao deserto, ao seu lugar, aí onde é sustentada durante um tempo, tempos e metade de um tempo, fora da vista da serpente.” Apocalipse 12:14

“No sexto século tornou-se o papado firmemente estabelecido. Fixou-se a sede de seu poderio na cidade imperial e declarou-se ser o bispo de Roma a cabeça de toda a igreja. O paganismo cedera lugar ao papado. O dragão dera à besta "o seu poder, e o seu trono e grande poderio”. Apoc. 13:2. E começaram então os 1260 anos de opressão papal preditos nas profecias de Daniel (Dan. 7:25) e João (Apoc 13:5-7). Os cristãos foram obrigados a optar entre renunciar a sua integridade e aceitar as cerimônias e culto papais, ou passar a vida nas masmorras, sofrer a morte pelo instrumento de tortura, pela fogueira, ou pela machadinha do verdugo. Cumpriram-se as palavras de Jesus: "E até pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos sereis entregues; e matarão alguns de vós. E de todos sereis odiados por causa do Meu nome." Luc. 21:16 e 17. Desencadeou-se a perseguição sobre os fiéis com maior fúria do que nunca, e o mundo se tornou um vasto campo de batalha. Durante séculos, a igreja de Cristo encontrou refúgio no isolamento e obscuridade. Assim diz o profeta: "A mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias." Apoc. 12:6.” - História da Redenção, pág. 330.

A frase tempo, tempos e metade de um tempo, na realidade quer dizer ano, anos e metade de um ano. Fica fácil deduzir que aqui João fala do período de 1260 anos de perseguição ao fiel povo de Deus que também é descrito em Daniel 7:25.

“O apóstolo Paulo advertiu a igreja a não esperar a vinda de Cristo em seu tempo. "Porque não será assim", diz ele, "sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado." II Tess. 2:3. Não poderemos esperar pelo advento de nosso Senhor senão depois da grande apostasia e do longo período do domínio do "homem do pecado". Este "homem do pecado", que também é denominado "mistério da injustiça", "filho da perdição", e "o iníquo", representa o papado, que, conforme foi anunciado pelos profetas, deveria manter sua supremacia durante 1.260 anos. Este período terminou em 1798.” - O Grande Conflito, pág. 356.


Apocalipse 13 fala deste poder simbolizado por uma besta que sobe do mar. Um poder que surge de um lugar aonde existe muita gente, já que mar é símbolo para lugar habitado (Apocalipse 17:15). Este poder tem um pouco de cada um dos reinos anteriores: leopardo, urso, leão (os animais de Daniel 7).

Em 1798 essa besta é ferida:
“Então, vi uma de suas cabeças como golpeada de morte, mas essa ferida mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou seguindo a besta.” Apocalipse 13:3
João diz que essa ferida não seria para a morte, mas que esse poder se recuperaria.

“No capítulo 13:1-10, descreve-se a besta "semelhante ao leopardo", à qual o dragão deu "o seu poder, o seu trono, e grande poderio". Este símbolo, como a maioria dos protestantes tem crido, representa o papado, que se sucedeu no poder, trono e poderio uma vez mantidos pelo antigo Império Romano. Declara-se quanto à besta semelhante ao leopardo: "Foi-lhe dada uma boca para proferir grandes coisas e blasfêmias. ... E abriu a sua boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do Seu nome, e do Seu tabernáculo, e dos que habitam no Céu. E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los; e deu-se-lhe poder sobre toda a tribo, e língua, e nação." Esta profecia, que é quase idêntica à descrição da ponta pequena de Daniel 7, refere-se inquestionavelmente ao papado.
"Deu-se-lhe poder para continuar por quarenta e dois meses." E, diz o profeta, "vi uma de suas cabeças como ferida de morte". E, mais, "se alguém leva em cativeiro, em cativeiro irá; se alguém matar à espada, necessário é que à espada seja morto". Os quarenta e dois meses são o mesmo que "tempo, tempos, e metade de um tempo", três anos e meio, ou 1.260 dias, de Daniel 7, tempo durante o qual o poder papal deveria oprimir o povo de Deus. Este período, conforme se declara nos capítulos precedentes, começou com a supremacia do papado, no ano 538 de nossa era, e terminou em 1798. Nesta ocasião o papa foi aprisionado pelo exército francês, e o poder papal recebeu a chaga mortal, cumprindo-se a predição: "Se alguém leva em cativeiro, em cativeiro irá.” - O Grande Conflito, pág. 439

Vocês se lembram que ao estudarmos a profecia de Daniel 7, falamos de um poder que mudaria os tempos e a lei e perseguiria o povo de Deus por 1.260 anos? Vimos que este poder religioso era sem dúvida a Igreja Católica Apostólica Romana, e como esta profecia de tempo se cumpriu à risca. Esse poder religioso dominou o mundo cristão de 538 até 1798 d.C., quando as tropas de Napoleão puzeram fim ao seu domínio ao prenderem o Papa Pio VI (1775-1799) que morreu pouco depois na prisão.
O livro do Apocalipse, no entanto, afirmava que essa ferida não seria uma ferida de morte, mas seria curada.

“A influência de Roma nos países que uma vez já lhe reconheceram o domínio, está ainda longe de ser destruída. E a profecia prevê uma restauração de seu poder. "Vi uma de suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a Terra se maravilhou após a besta." Apoc. 13:3. A aplicação da chaga mortal indica a queda do papado em 1798. Depois disto, diz o profeta: "A sua chaga mortal foi curada; e toda a Terra se maravilhou após a besta." Paulo declara expressamente que o homem do pecado perdurará até ao segundo advento. (II Tess. 2:8.) Até mesmo ao final do tempo prosseguirá com a sua obra de engano. E diz o escritor do Apocalipse, referindo-se também ao papado: "Adoraram-na todos os que habitam sobre a Terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida." Apoc. 13:8. Tanto no Velho como no Novo Mundo o papado receberá homenagem pela honra prestada à instituição do domingo, que repousa unicamente na autoridade da Igreja de Roma.” - O Grande Conflito, pág. 579

Você verá na tabela a seguir como isso tem se cumprido até a completa cura dessa ferida. Mas antes de olharmos a tabela, o livro do Apocalipse, no capítulo 13, menciona outra besta. Esse outro poder sobe da terra:


“Vi ainda outra besta emergir da terra; possuía dois chifres, parecendo cordeiro, mas falava como dragão.
Exerce toda a autoridade da primeira besta na sua presença. Faz com que a terra e os seus habitantes adorem a primeira besta, cuja ferida mortal fora curada. Também opera grandes sinais, de maneira que até fogo do céu faz descer à terra, diante dos homens.
Seduz os que habitam sobre a terra por causa dos sinais que lhe foi dado executar diante da besta, dizendo aos que habitam sobre a terra que façam uma imagem à besta, àquela que, ferida à espada, sobreviveu; e lhe foi dado comunicar fôlego à imagem da besta, para que não só a imagem falasse, como ainda fizesse morrer quantos não adorassem a imagem da besta.” (Apocalipse 13: 11 a 15)

Que poder está dominando o mundo em nossos dias, no tempo do fim?
“As tentativas feitas na idade-média para entender a besta-cordeiro com chifres falharam. O povo não pode entender esta profecia antes que ela se cumprisse. Entende-se melhor a profecia depois que ela se cumpre. É por isso que Jesus afirmou: ‘Disse-vos agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós creiais’ (João 14:29).” Apocalipse Verso Por Verso, pág. 114.
Vamos relembrar algumas coisas para afirmarmos quem realmente é essa besta, esse poder que surge nos últimos dias:
Em Apocalipse 12 aparece um grande dragão vermelho que foi o grande império romano ou Roma pagã (usada por seu comandante principal, o próprio Satanás).
Em Apocalipse 13 aparece uma besta que sobe do mar e é semelhante a um leopardo. Essa besta é ferida, mas não morreu. Esse poder foi e é Roma Papal.
Mas, e agora? Quem seria esse poder ou essa besta que sobe da terra?
Em 1851, J. N. Andrews, um pioneiro adventista, identificou esse poder como a América protestante, ou seja, os Estados Unidos da América do Norte. Mas como poderia isso ser uma realidade, pois, afinal de contas, nessa época o exército dos EUA tinha apenas vinte mil homens? Alguns anos depois em 1867, Touro Sentando, um índio, venceu o exército do General Custer.
“Em 1933, quando Hitler tornou-se o Führer, os Estados Unidos tinham o décimo sexto maior exército do mundo – menor que o da Espanha, da Turquia e mesmo da Polônia.” O Dia do Dragão, pág. 31.
Realmente parecia impossível, mas Deus não advinha, Ele sabe.

“A profecia do capítulo 13 do Apocalipse declara que o poder representado pela besta de chifres semelhantes aos do cordeiro fará com que a "Terra e os que nela habitam" adorem o papado, ali simbolizado pela besta "semelhante ao leopardo". A besta de dois chifres dirá também "aos que habitam na Terra que façam uma imagem à besta; e, ainda mais, mandará a todos, "pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos", que recebam o "sinal da besta". Apoc. 13:11-16. ... OS ESTADOS UNIDOS SÃO O PODER REPRESENTADO PELA BESTA DE CHIFRES SEMELHANTES AOS DO CORDEIRO, e que esta profecia se cumprirá quando aquela nação impuser a observância do domingo, que Roma alega ser um reconhecimento especial de sua supremacia. Mas nesta homenagem ao papado os Estados Unidos não estarão sós. A influência de Roma nos países que uma vez já lhe reconheceram o domínio, está ainda longe de ser destruída. E a profecia prevê uma restauração de seu poder. "Vi uma de suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a Terra se maravilhou após a besta." Apoc. 13:3. A aplicação da chaga mortal indica a queda do papado em 1798. Depois disto, diz o profeta: "A sua chaga mortal foi curada; e toda a Terra se maravilhou após a besta." Paulo declara expressamente que o homem do pecado perdurará até ao segundo advento. (II Tess. 2:8.) ... Tanto no Velho como no Novo Mundo o papado receberá homenagem pela honra prestada à instituição do domingo, que repousa unicamente na autoridade da Igreja de Roma. ...” - Fé Pela Qual Eu Vivo, MM 1959, pág. 329.




Alguns pontos a considerar:

- Surgiria da terra. Se “mar”, de onde surgiu as outras bestas (Daniel 7 e Apocalipse 13) significa que elas sairam de onde era bastante povoado, esse poder surgiria de um lugar pouco povoado. “Um proeminente escritor descreveu o levantar dos Estados Unidos: “...o mistério de sua chegada do vazio... Como uma semente silenciosa nós crescemos e nos transformamos em um império.” (G.A. Townsend, The New World Compared With the Old, pág. 635.)
“Um jornal Europeu escreveu em 1850 a respeito dos Estados Unidos como um império que estava “emergindo... em meio ao silêncio da terra, diariamente aumentando o seu poder e sua força.”(citado em Daniel and revelation, pág. 578, Uriah Smith).” Revelation’s Predictions For a New Millennium, pág. 381.

- Possuia chifres como de um cordeiro. Esse poder agiria de maneira gentil. “Uma nação sem um déspota como rei e uma igreja sem um papa autoritário. O pano de fundo aqui é que a nova nação teria liberdade civil e religiosa.” Sunday’s Coming, pág. 221.

“Os ‘dois chifres como de um cordeiro’ bem representa o caráter de nosso governo, como expresso em seus dois princípios fundamentais, - Republicanismo e Protestantismo. Estes princípios são o segredo de nosso poder e prosperidade como nação. Aqueles que cedo encontraram asilo nas praias da América, regozijaram de que haviam alcançado um país livre da arrogância do papado e da tirania dos reis. Eles se determinaram a estabelecer um governo sob o pleno fundamento da liberdade civil e religiosa.” (Ellen White, The Signs of the Times, Feb. 8, 1910).” Citado em Sunday’s Coming, pág. 221.

- Falava como um dragão. Passaria a agir como Satanás. Destruindo, perseguindo, e punindo àqueles que não seguissem as leis que esse poder impusesse. E ao que tudo indica quanto mais se aproxima do fim, mais falará em nome do dragão.

“Os fundadores da Nação procuraram sabiamente prevenir o emprego do poder secular por parte da igreja, com seu inevitável resultado – intolerância e perseguição. A Magna Carta estipula que “o Congresso não fará lei quanto a oficializar alguma religião, ou proibir o seu livre exercício,” e que “nenhuma prova de natureza religiosa será jamais exigida como requisito para qualquer cargo de confiança pública nos Estados Unidos.” Somente em flagrante violação destas garantias à liberdade da nação poderá qualquer observância religiosa ser imposta pela autoridade civil. Mas a incoerência de tal procedimento não é maior do que o que se encontra representado no símbolo. É a besta de corno semelhantes aos do cordeiro – professando-se pura, suave e inofensiva – que fala como o dragão.” - O Grande Conflito, pág. 441

- Exerce o mesmo poder da primeira besta. Assim como o papado, na idade média, punha e depunha reis e governantes, esse poder faria o mesmo nessa época. Os reinos do mundo seguiriam o que ele impusesse.

“Quando os Estados Unidos, o país da liberdade religiosa, se aliar com o papado, a fim de dominar as consciências e obrigar os homens a reverenciar o falso sábado, os povos de todos os demais países do mundo hão de ser induzidos a imitar-lhe o exemplo. O nosso povo não tem sequer utilizado a metade do poder de que dispõe para estender a mensagem de advertência.” – Testemunhos Para a Igreja, Vol. 6, pág. 18.

- Opera grandes sinais... faz descer fogo do céu. Tem um poder fantástico a ponto de enviar fogo do céu.

- Surgiu depois da ferida da primeira besta. Surgiria depois ou próximo a 1798. “Os peregrinos chegaram ao “Novo Mundo”no início dos anos 1600s. Em 1776 as colonias se uniram ao ponto de apresentar a Declaração de Independência. Em 1787 a Constituição foi ratificada, e em 1789 a Carta Magna foi formulada. Em 1791 a Carta Magna foi adotada. ...O papa foi preso em 1798, e sem dúvida é significativo que no mesmo ano o governo Francês reconheceu os Estados Unidos como uma nação.” Sunday’s Coming!, pág. 217.

“Que nação no Novo Mundo se achava em 1798 ascendendo ao poder, apresentando indícios de força e grandeza, e atraindo a atenção do mundo? A aplicação não admite dúvidas. Uma nação, e apenas uma, satisfaz às especificações desta profecia; esta aponta insofismavelmente para os Estados Unidos da América do Norte.” - O Grande Conflito, pág. 439.



- Ajudaria a comunicar fôlego à primeira besta. Ajudaria na recuperação da primeira besta (a que tinha sido ferida). Ou seja ajudaria na cura da ferida e ainda faria com que as pessoas adorassem essa primeira besta sob pena de morrerem se assim não fizerem. “Muitas leis estaduais dominicais foram estabelecidas ao longo do século. Mas um ingrediente essencial estava faltando para se estabelecer uma lei dominical nacional. O ingrediente que faltava era a cooperação entre os Estados Unidos e o Papado. De fato, a história confirma que existia um forte sentimento anti-Católico nos Estados Unidos. Como as coisas mudaram atualmente! Durante o governo de Ronald Reagan nós (EUA) estabelecemos “total relações diplomáticas com o governo central da Igreja Católica Romana”, e adicionalmente, naquilo que ficou conhecido como “Santa Aliança”, nós cooperamos com o papado ao derrubar o comunismo.
Atualmente, líderes religiosos como Chuck Colson, Pat Robertson, Billy Graham, e outros estão encorajando o patrocínio de Roma. E líderes civís ...estão dando apôio político em direção à Roma.” Sunday’s Coming, pág. 223.
“Falando sobre o novo papel dos Estados Unidos como a única superpotência do mundo, o chefe da OLP, a Organização Para Libertação da Palestina, Yasser Arafat, chamou a capital americana Washington, de “a nova Roma”.
A nova Roma! Por quê? Porque Roma antiga havia sido um poder sem rival em sua época, e os Estados Unidos estão nesta posição agora.” O Dia do Dragão, pág. 25.
De fato, o capítulo três do livro O Dia do Dragão tem o título “A Nova Roma”.


A própria revista Veja de 11 de Dezembro de 2002, tráz na capa, George Bush, presidente dos Estados Unidos, vestido como César. O título da manchete é: “Lula Vai a César”. Em várias matérias da revista Veja, os EUA é comparado a um “Império” por seu poderio e influência.

Esta é uma profecia que está se cumprindo em nossos dias.
A ferida foi sendo, pouco a pouco, curada, e os EUA tiveram um papel preponderante para que ela se curasse completamente.
A profecia ainda previa que que toda a terra se maravilharia seguindo a besta. E hoje podemos dizer que esta é mais uma profecia que está se cumprindo diante de nossos olhos. Verifique na tabela a seguir, como essa ferida foi sendo curada com o passar dos anos.
Também procurei colocar como os EUA, a besta que subiu da terra, e a besta que subiu do mar estão cada vez mais trabalhando em conjunto (Apoc. 13).