Livro completo "Chegou a Hora"

sábado, 2 de janeiro de 2010

Sinal da Proximidade do Fim




Sinal da Proximidade do Fim
Existe um trecho do Espírito de Profecia que se encontra no livro Testemunhos Seletos – Vol. 2 que tem exatamente esse título. Preste bastante atenção no que está contido neste texto, pois ele é um sinal importantíssimo do fim dos tempos.

“Por um decreto que visará impor uma instituição papal em contraposição à lei de Deus, a nação americana se divorciará por completo dos princípios de justiça. Quando o protestantismo estender os braços através do abismo, a fim de dar uma das mãos ao poder romano e a outra ao espiritismo, quando por influência dessa tríplice aliança os Estados Unidos forem induzidos a repudiar todos os princípios de sua Constituição, que fizeram deles um governo protestante e republicano, e adotar medidas para a propagação dos erros e falsidades do papado, podemos saber que é chegado o tempo das operações maravilhosas de Satanás e que o fim está próximo.
Como a aproximação dos exércitos romanos foi um sinal para os discípulos da iminente destruição de Jerusalém, assim essa apostasia será para nós um sinal de que o limite da paciência de Deus está atingido, que as nações encheram a medida de sua iniqüidade, e o anjo da graça está pronto para partir desta Terra para não mais tornar.
O Senhor está fazendo Sua obra. Todo Céu está em atividade. O Juíz de toda a Terra Se levantará em breve para vindicar Sua autoridade insultada. O sinal do libertamento será posto naqueles que guardam os mandamentos de Deus, reverenciam Sua lei e se recusam a aceitar o sinal da besta ou da sua imagem.” - Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 151.

Pontos a considerar:
1. “Por um decreto que visará impor uma instituição papal em contraposição à lei de Deus...”
Os Estados Unidos da América emitirão um decreto que obrigará a todos guardarem o domingo (o falso sábado) e daí será passado para todo o mundo.
Hoje, nos Estados Unidos, as portas ainda estão abertas para se pregar o evangelho publicamente e em particular através de todos os meios disponíveis. Mas, nos bastidores, movimentos estão trabalhando para amenizar a crença na mensagem cristã. A maioria dos estados já tem leis dominicais, de um tipo ou de outro, em seus estatutos.
Nunca houve antes tanta pressão sobre o governo para impor leis religiosas. Os Fundamentalistas Protestantes uma vez insistiram na separação entre igreja e estado. Agora, organizações religiosas estão pedindo por regulamentos morais apoiados pelo governo. Em cumprimento à profecia vemos a América do Norte começar a ceder seu poder político para impor a religião ao povo.



“Com a decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos em 1961, declarando que são constitucionais leis estaduais que obriguem o fechamento do comércio aos domingos, foi dado um grande passo para a “santificação do domingo”. Os protestantes por muitos anos têm procurado deliberadamente a imposição do domingo em legislação religiosa, e indiretamente, como legislação social. Ultimamente a voz dos católicos tem sido também ouvida, de modo que protestantes e católicos unam suas forças no sentido de prover um ambiente legal mais favorável para a observância do domingo. Esta decisão prepara caminho para mais estritas leis estaduais e finalmente uma lei nacional.” As Revelações do Apocalipse, 160 e 161.





2. “Quando o protestantismo estender os braços através do abismo, a fim de dar uma das mãos ao poder romano e a outra ao espiritismo...”
O protestantismo estende os braços e se liga ao poder romano e ao espiritismo.
O espiritualismo moderno nasceu no oeste de Nova York, na cidade de Rochester, em 1848, através das irmãs Fox. Foi através das médiuns americanas que o espiritismo se espalhou pelo mundo. Através do movimento da Nova Era, está penetrando no cristianismo, tanto protestante quanto católico.


E atualmente, através dos filmes (grande parte deles feitos nos EUA), dramas e novelas, o espiritismo chega aos lares por meio da televisão. Nunca o espiritismo foi tão divulgado como atualmente. Esse assunto está presente nos livros, revistas, filmes, programas, vídeo-games e disponível para todos gostos e faixa etária.



3. “...Estados Unidos forem induzidos a repudiar todos os princípios de sua Constituição, que fizeram deles um governo protestante e republicano...”
Repudiar os princípios de sua constituição.

“O movimento dominical está agora abrindo caminho nas trevas. Os líderes encobrem a verdadeira questão, e muitos que se unem ao movimento não percebem para onde propende a tendência oculta...”
“Os que se empenham em conseguir uma emenda à Constituição, para obter uma lei que imponha a observância do domingo, mal compreendem qual vai ser o resultado. Uma crise iminente.” - Eventos Finais, pág. 111.

A corrupção política está destruindo o amor à justiça e a consideração para com a verdade; e mesmo na livre América do Norte, governantes e legisladores, a fim de conseguir o favor do público, cederão ao pedido popular de uma lei que imponha a observância do domingo.” - Eventos Finais, pág. 113.

4. “...adotar medidas para a propagação dos erros e falsidades do papado...”
Adotar medidas para expalhar os erros e as falsidades do papado.
O Pr. Nelson Luchi em seu livro “Nova Era no Contexto Profético” diz na página 24:
“Em 1959, no seminário, me preparando para ser um padre, achava impossível a união da minha santa madre igreja com protestantes e espíritas. Hoje é notícia nos jornais. Apocalipse 16:13-14 predissera essa união há mais de 1900 anos.”
Quando tudo isso acontecer...
“...podemos saber que é chegado o tempo das operações maravilhosas de Satanás e que O FIM ESTÁ PRÓXIMO.”
“Quando nossa nação (EUA) abjurar os princípios de seu governo de tal forma que vote uma lei dominical, nesse próprio ato o protestantismo dará a mão ao papado.” – 2TS, 318.

“Os protestantes lançarão toda a sua influência e poder ao lado do papado. Por um ato nacional impondo o falso sábado, eles darão vida e vigor à corrompida fé de Roma, avivando sua tirania e opressão da consciência.” - Man. 179 (1893) - Eventos Finais, pág. 113.

Como podemos ver estamos muito próximo do fim. O mundo se prepara para o desfecho final. Quando for emitido o decreto dominical (um decreto para a guarda do domingo) nos Estados Unidos da América estaremos a um passo da volta de Jesus.
Sobre esse assunto já foram escritos diversos livros nos últimos anos. Alguns desses livros você poderá encontrar em português como “O Dia do Dragão”, “Do Sábado Para o Domingo”, “O Governo da Nova Era”, entre outros.
Mas eu gostaria de destacar alguns pontos encontrados no livro “Sunday’s Coming”, escrito por G. Edward Reid.
“O estabelecimento de relações diplomáticas entre os Estados Unidos e a Santa Sé, o crescimento do movimento ecumênico, a visita do papa (João Paulo II) aos EUA, e a Campanha Católica para a América (Catholic Campaign for America) mostra claramente que as predições de Ellen White e a interpretação tradicional Adventista de Apocalipse 13 e 17 estão se provando como uma interpretação muito correta.” Sunday’s Coming, pág. 82.



“No movimento ora em ação nos Estados Unidos a fim de conseguir para as instituições e usos da igreja o apoio do Estado, os protestantes estão a seguir as pegadas dos romanistas. Na verdade, mais que isto, estão abrindo a porta para o papado a fim de adquirir na América do Norte protestante a supremacia que perdeu no Velho Mundo. E o que dá maior significação a este movimento é o fato de que o principal objeto visado é a obrigatoriedade da observância do domingo, prática que se originou com Roma, e que ela alega como sinal de sua autoridade. É o espírito do papado - espírito de conformidade com os costumes mundanos, com a veneração das tradições humanas acima dos mandamentos de Deus - que está embebendo as igrejas protestantes e levando-as a fazer a mesma obra de exaltação do domingo, a qual antes delas fez o papado.” - O Grande Conflito, pág. 573


“Enquanto os homens estão dormindo, Satanás está ativo criando um cenário para que o povo de Deus não tenha misericórdia ou justiça. O movimento Dominical está agora saindo das trevas. Os líderes estão ocultando a verdade, e vários que se unem com o movimento não podem perceber aonde este tipo de pensamento pode levar. Sua maneira de agir é pacífica, e aparentemente cristã, mas quando falar, se revelará o espírito do Dragão (Ellen G. White, The Watchman, paragraph 11, 25 de Dezembro de 1906).” Citado em Sunday’s Coming, pág. 83.

“A profecia (Apocalipse 13) representa o Protestantismo como um cordeiro com dois chifres, mas que fala como um dragão. Já estamos ouvindo a voz do dragão. Existe uma força satânica impulsionando o movimento Dominical, mas oculta. Os homens que estão engajados no trabalho estão cegos ao que resultará com este movimento (Advent Review and Sabbath Herald, Jan. 1, 1889).” Citado em Sunday’s Coming, pág. 83.

Atualmente existem diversos líderes religiosos que apoiam a inclusão de leis dominicais. Reid cita Pat Robertson, fundador e presidente da “Coalização Cristã” e autor do livro intitulado “A Nova Ordem Mundial”:


“Os escravos das galés forçados a trabalhar sete dias na semana se tornam não melhores do que bestas de carga. Grandes civilizações surgem quando o povo pode descansar, pensar e receber inspiração de Deus. Que estupidez de nossa sociedade recusar reconhecer a sabedoria de Deus.
Desde que a exaltação e promessa de recompensa vem da adoração e descanso de um dia, eu decidi tornar meus domingos de acordo com o modêlo Bíblico.” Sunday’s Coming, pág. 86.
Pat Robertson fala de adoração sem se importar se o dia de adoração é ou não o dia indicado por Deus, e com isso adota um falso sábado, o domingo.
“Mas e aqueles que não adoram no domingo, como os Muçulmanos, Judeus e os Adventistas do Sétimo Dia? David M. Barney, da Trinity Episcopal Church em Concord, MA (EUA), deu sua resposta à seguinte pergunta: “Em vista destas duas considerações, os direitos das minorias e o mandamento da guarda do sábado, que base nós temos para adotar o domingo como uma lei?” Ele respondeu: “Na América, o domingo permanece como o dia comum de descanso para qualquer alternativa. Naturalmente ele é adotado pela maioria dos cristãos, mas outras comunidades religiosas ou não religiosas, têm que se adaptar, gostem ou não. Eu não posso imaginar uma lei que tenha dois ou mais dias de descanso. Desde que temos que escolher um dia de modo que toda comunidade desfrute juntos, não vejo outra alternativa senão o domingo.” Sundays’s Coming, pág. 87.
No artigo da Adventist Review (Revista Adventista na América) de 12 de Outubro de 1995, o Pr. Wellesley Muir se declarou chocado com uma descoberta:
“Enquanto estava me preparando para um Seminário do Apocalipse há algum tempo atrás, eu fui atrás do novo catecismo Católico e abri na seção que tratava com o Sábado. Eu fiquei chocado com o que encontrei. Sob o título “Cooperação com as Autoridades Civís com Respeito a Este Mandamento”, eu li o seguinte: “As autoridades civís deveriam ser impulsionadas a cooperar com a igreja na manutenção e fortalecimento da adoração pública de Deus, e manter com sua própria autoridade as leis que fossem fixadas pelos pastores.” No parágrafo seguinte dizia: “Porque só dessa maneira os fiéis entenderão porque é o domingo e não o dia de sábado que nós agora consideramos santo.”
Algo que chama a atenção é que este novo catecismo romano, lançado em 1994, tem o “imprimatur” do Vaticano. Mas isso seria algo comum se não estivesse no canto superior esquerdo da primeira página os seguintes dizeres “Imprimi Potest – Joseph Cardinal Ratzinger.” Nessa época não se poderia imaginar que ele se tornaria Bento XVI, o papa que sucedeu João Paulo II.


O livro O Domingo Está Chegando (Sunday’s Coming) tem um capítulo intitulado“Reabrindo o Escritório da Inquisição”. Neste capítulo o autor fala de um artigo da revista Time em sua edição do dia 6 de dezembro de 1993. O artigo intitulado “Keeper of the Straight and Narrow” (Guardião do Correto e Estreito) tinha como subtítulo “O responsável do Papa para fazer cumprir a doutrina e a moral (no Brasil seu título anterior foi apresentado como “Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé” - antigo Santo Ofício), Joseph Ratzinger, é o mais poderoso príncipe da igreja e um dos mais despresado.” O artigo da Time tinha três páginas cheias.
“O cardeal mais poderoso do mundo vive à distância de um tiro de pedra da Catedral de São Pedro, acima do terminal do ônibus 64, mal afamado por causa dos batedores de carteiras. Toda manhã ele caminha com passos fortes sobre os paralelepípedos para chegar às 9 da manhã ao ‘palazzo’ que uma vez recebeu o título de Inquisição Universal Romana. De fala mansa e cortês, Joseph Cardinal Ratzinger, 66, parece ser muito bom para ser um inquisidor. Mas sua Congregação para a Doutrina da Fé é a última encarnação da Inquisição Romana, e como chefe defensor dos dogmas da igreja Católica, o Cardeal permanece na sucessão direta dos perseguidores de Galileu e os compiladores do index dos livros banidos. O peso da história é sustentado pela atenção que Ratzinger recebe.” Sunday’s Coming, pág. 90.
Nesse catecismo tem uma parte que fala do quarto mandamento e o menciona como o Sábado era guardado pelo povo de Israel, mas subitamente muda afirmando que “o domingo é o cumprimento do sábado”. O catecismo continua afirmando que “o Sábado que representou a finalização da primeira criação, foi substituído pelo domingo que relembra a nova criação inaugurada pela ressurreição de Cristo.”
O parágrafo 2188 é o que mais revela a estratégia papal. Em respeito à liberdade religiosa e o bem comum de todos, os cristãos deveriam reconhecer os domingos e os dias santos da igreja como feriados legais”. Note as palavras chaves aqui. “Liberdade Religiosa” – para a mente Católica isto significa o direito de crer como um Católico. “O bem comum de todos” – estas palavras soam similar ao preâmbulo da constituição dos Estados Unidos. Mas soa muito mais com as palavras da Campanha Católica para a América: “É hora de nós demonstrarmos nossa vitalidade Católica e nos engajarmos em um debate público. Nós temos o poder e o povo para entrarmos neste movimento – um movimento que beneficiará todos Americanos.” Sunday’s Coming, pág. 91
Não era portanto de se assustar que logo ao assumir o mandato como novo papa, Ratzinger, ou melhor, Bento XVI, em sua primeira viagem para fora do Vaticano, a cidade de Bari, no sul da Itália, já defendesse a união dos cristãos. E para isso nada melhor do que enfatizar a guarda do domingo. O título do XXIV Congresso Eucarístico Nacional recebeu o título “Sem o Domingo Não Podemos Viver.”

“A fim de assegurar popularidade e sua aprovação, os legisladores se renderão aos reclamos de leis dominicais. Mas os que temem a Deus não podem aceitar uma instituição que viole um preceito do Decálogo. Neste campo se travará o último grande conflito na controvérsia entre a verdade e o erro. E nós não somos deixados em dúvida quanto ao desfecho.” - Profetas e Reis, pág. 606.

Hoje o EUA procura dominar o mundo com a finalidade de obter vantagens comerciais e por isso defendem a globalização. Existe um grupo que tenta impor um governo único no mundo que é conhecido como “Nova Ordem Mundial”. Mas Deus já havia predito tudo isso. E isto também é um sinal de que estamos vivendo nos últimos dias.


Hoje os EUA conquista poder político e militar sobre o planeta, mas em breve emitirá um decreto para impor a santificação do domingo, fazendo assim uma imagem à besta que subiu do mar.