Livro completo "Chegou a Hora"

domingo, 15 de dezembro de 2013

Nossa Missão é Anunciar!

No dia 26 de dezembro de 2004, uma menina britânica de dez anos de idade, chamada tilly Smith, estava passeando em uma praia na Tailândia, junto de sua família. 

Ao observar a praia, Tilly notou que o mar havia se tornado estra­nho. Formaram-se algumas bolhas, a água recuou e as ondas sumiram. Enquanto turistas observavam o mar recuar e alguns barcos e peixes ficarem sobre a areia, Tilly percebeu que estava em perigo. Ela sabia que uma onda gigante atingiria a praia a qualquer momento. Reconheceu os sinais de perigo porque havia feito um trabalho de geografia na esco­la sobre as ondas gigantes causadas por terremotos. 

Imediatamente, Tilly avisou os pais, Penny e Colin, e também a equipe do hotel onde estava hospe­dada. A praia foi uma das poucas da ilha de Phuket em que ninguém mor­reu. Craig Smith, gerente do hotel JW Marriott, no qual a família de Tilly estava hospedada, disse que a meni­na foi uma heroína. 

Tilly Smith, que passou a ser cha­mada "anjo da praia" por ter salvo do tsunami cerca de cem vidas, partici­pou das homenagens às vitimas e leu um poema durante a cerimônia de aniversário de um ano da onda gi­gante. Ela foi chamada também de "anjo britânico" e "heroína de dez anos'; além de ser eleita a "Criança do Ano" pela revista francesa Mon Quotidien. 

Ao contrário de Tilly, um indoné­sio chamado Samith Dhammasaroj chorava de frustração. Especialista em terremotos, ele tentou avisar as autoridades de seu país sobre a che­gada de um tsunami, mas ninguém lhe deu crédito. Samith chegou a ser chamado de "louco" onze anos antes, quando falava sobre o risco de tsu­namis atingirem praias do sul da Tai­lândia. Por não acreditarem em suas advertências, os indonésios lamen­tam seus milhares de mortos. 

Se você estivesse no mesmo lugar naquele momento, reconheceria os sinais? Se uma garota de dez anos se aproximasse de você e dissesse para fugir da praia por causa da aproxi­mação de uma onda gigante, você atenderia? 

Milhares de pessoas não reconhe­cem os sinais da volta de Jesus. Al­guns, admirados ou assustados com os acontecimentos atuais, observam os acontecimentos sem perceber o que está por vir. E quem vai avisa-los? Talvez as pessoas não dêem ou­vidos ao que temos para falar, como aconteceu com Samith. Mas preci­samos dar-Ihes oportunidade. Pre­cisamos avisar o mundo. 

Muitas lições podem ser tiradas da tragédia do tsunami, mas eu gosta­ria de compartilhar dois aspectos: 

Eles falaram. Como teria ficado a menina Tilly se não tivesse fala­do o que sabia? Será que teria sen­tido vergonha de si mesma se todos em sua volta morressem? Tilly e Sa­mith queriam escapar da destruição e desejavam dar essa oportunidade a outros. Esse gesto é uma grande li­ção para nós. Precisamos nos colo­car ao lado de Cristo e tomar a deci­são de falar o que sabemos ao nosso próximo. 

Estavam preparados. Faria senti­do Tilly ir à escola e não prestar aten­ção às aulas? Qual seria o resultado se o professor de Tilly não ensinasse tudo o que sabia ao alunos? Precisa­mos aprender diariamente aos pés de Jesus e guardar no coração cada um de Seus ensinos e promessas. Você esqueceu algum detalhe im­portante da Bíblia? Volte a estuda­-lo. Como estão as classes bíblicas? Como estão os estudos bíblicos para nossos jovens, desbravadores e aven­tureiros? E o Ano Bíblico? Vamos in­vestir em nossa comunhão com Je­sus e no ensino de nossas crianças e adultos. 

Milhares de pessoas não perce­bem os sinais do fim. Mas nós os conhecemos. Portanto, estejamos preparados. Falemos ao mundo sobre o que sabemos. Milhares de pessoas serão salvas das ondas gi­gantes do pecado. Serão salvas para a eternidade.