Livro completo "Chegou a Hora"

sábado, 10 de outubro de 2020

VERDADE PRESENTE

O que é “Verdade Presente”? 

Esse foi o primeiro nome da Revista Adventista fundada por James e Ellen White em julho de 1849. Em Inglês, Present Truth. Posteriormente o nome foi mudado até chegar ao nome atual. O primeiro número da revista “Present Truth” (Verdade Presente) falava sobre o Sábado. Na verdade os cinco primeiros números falavam sobre o Sábado e os mandamentos da Lei de Deus. (https://m.egwwritings.org/en/book/1636.2000005#8)


 Essa era a mensagem mais importante para a igreja que estava nascendo após o desapontamento de 1844. 
Nesse primeiro número o Pr. Tiago White diz que “no tempo de Pedro havia a verdade presente, ou verdade aplicável àquele tempo presente. A Igreja sempre teve uma verdade presente. A verdade presente agora, é aquela que mostra o dever presente, e a posição certa para nós que estamos prestes a testemunhar o tempo de problemas, como nunca aconteceu. A verdade presente deve ser freqüentemente repetida, mesmo para aqueles que estão estabelecidos nela. Isto era necessário no tempo dos apóstolos, e certamente não é menos importante para nós, que estamos vivendo pouco antes do fim dos tempos.” PTJW julho de 1849, página 1.7 

Falando sobre a Verdade Presente, George Knight diz que “José Bates, Tiago e Ellen White tinham um conceito dinâmico do que chamavam de “verdade presente”. Tiago White, após citar II Pedro 1:12, que fala sobre estar firmado na “verdade presente”, escreveu que ‘no tempo de Pedro havia uma verdade presente ou verdade aplicável àquele tempo. A igreja sempre teve uma verdade presente. A verdade presente agora é aquela que mostra nosso dever presente e a atitude correta para nós que estamos prestes a testemunhar o tempo de angústia’. 
Ellen White tinha a mesma compreensão: ‘A verdade presente, que é um teste para esta geração’, observou ela com relação ao sábado do sétimo dia, ‘não foi um teste para as gerações passadas’. Em outra ocasião ela observou, com relação a certas questões teológicas, que ‘aquilo que Deus concede a Seus servos para falar hoje não foi a verdade presente de vinte anos atrás, mas é a mensagem de Deus para este tempo.’ Ela também compreendia que ‘haverá um desenvolvimento da compreensão, pois a verdade é suscetível de contínua ampliação. Nossa investigação da verdade ainda é incompleta. Temos apanhado apenas poucos raios de luz.” 

 Em uma das meditações matinais encontrei a seguinte definição para “Verdade Presente”: A Igreja Adventista do Sétimo Dia é um movimento profético para o tempo do fim. Ela tem a responsabilidade de pregar a “verdade presente”. Cremos que nossa igreja é um movimento profético de pregação e restauração da verdade para o período do tempo do fim. 
Na Bíblia, há apenas uma mensagem: o evangelho eterno (Ap 14:6). No entanto, em cada época, o Senhor sempre teve um povo proclamando Sua verdade. Para todas as gerações, há uma mensagem apropriada para aquele momento e situação. No relato sobre Noé, a ênfase divina é colocada na mensagem de advertência a respeito do dilúvio. Em grande parte do Novo Testamento, a mensagem central concentra-se no fato de Jesus morrer e ressuscitar para salvar a humanidade. Enfim, para cada período da história, Deus tem uma mensagem específica. Essa mensagem é denominada “verdade presente”. 
 Ou seja, a “verdade presente” é um termo usado para uma mensagem específica para um momento específico da história. 
Com essa definição em mente eu posso perguntar: 

 Qual era a verdade presente para Adão? 
Provavelmente a vinda do Messias prefigurado no sacrifício do cordeiro. 
 
Qual era a verdade presente para Noé? 
O dilúvio… Dentro de cerca de 120 anos Deus vai destruir a humanidade com água. Os que quiserem se salvar devem entrar na arca que eu estou construindo. 

 Qual foi a verdade presente para Abraão? 
Como Deus o escolheu e aos seus descendentes para ser o seu povo na terra. 

 Qual foi a verdade presente para João Batista? 
A preparação para a primeira vinda de Cristo. 

 Qual foi a mensagem presente para Martinho Lutero? 
Provavelmente o descobrimento das verdades bíblicas e a justificação pela fé. 

 Qual foi a verdade presente para Guilherme Miller? 
Certamente a segunda vinda de Cristo, que para ele ocorreria por volta de 1843/44. 

 Qual foi a Verdade Presente no tempo de Ellen White? 
Os pioneiros adventistas acreditavam que Deus os tinha chamado para pregar uma mensagem distinta das outras denominações. Eles desenvolveram um conceito mais amplo de verdade presente que incluía o sábado, a lei de Deus, o ministério de Cristo no santuário celestial, a reforma de saúde, o estado dos mortos e a justiça de Cristo. 
A Igreja Adventista foi estabelecida com a missão mundial de avisar o mundo de que Cristo voltará em breve. 
E certamente a mensagem para o último período da história do mundo está esboçada em Apocalipse 14:6 a 12 e 18:1 a 4. Veja, portanto, que dependendo da época a verdade a ser enfatizada é uma ou outra. 

Após o desapontamento a IASD começou a pregar com maior ênfase a mensagem dos três anjos de Apocalipse 14
 “E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam sobre a terra, e a toda nação, e tribo, e língua, e povo, dizendo com grande voz: Temei a Deus e dai-lhe glória, porque vinda é a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.” Apoc 14:6-7 
 Esse juízo ou julgamento se iniciou em 1844. Todos devem saber que seu nome pode estar sendo julgado no céu e pode ser hoje. Também nos é dado a conhecer o que devemos fazer para escaparmos da condenação: “Temer a Deus e dar-lhe glória… Adorar ao Criador.” 
 Essa mensagem é Verdade Presente até o fechamento da Porta da Graça. 

"E outro anjo seguiu, dizendo: Caiu! Caiu Babilônia, aquela grande cidade que a todas as nações deu a beber do vinho da ira da sua prostituição! Apoc 14:8 
 Devemos pregar que Babilônia (a falsa igreja cristã que vem desde a época de Constantino, a Igreja Romana) cairá. Ela ainda não caiu, mas cairá em breve. 
Portanto estamos vivendo em um período dentro da mensagem do primeiro anjo e antes do cumprimento da mensagem do Segundo anjo. 
"E os seguiu o terceiro anjo, dizendo com grande voz: Se alguém adorar a besta e a sua imagem e receber o sinal na testa ou na mão, também o tal beberá do vinho da ira de Deus, que se deitou, não misturado, no cálice da sua ira, e será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e diante do Cordeiro. E a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre; e não têm repouso, nem de dia nem de noite, os que adoram a besta e a sua imagem e aquele que receber o sinal do seu nome.” Apoc 14:9-11 
 Isto também ainda não ocorreu, mas ocorrerá em breve e devemos alertar a humanidade. 

 Mas... será que existe uma “Verdade Presente” específica para nossos dias? 

Ellen White fala muitas vezes sobre a “verdade presente” e podemos ver que existe mudanças na ênfase conforme o tempo vai passando. 
Ela também fala sobre o que não é verdade presente: 
 “Há um tempo de angústia a sobrevir ao povo de Deus, mas não devemos manter isto constantemente diante dele, e incitá-lo para ter um tempo de angústia antecipado. Haverá uma sacudidura entre o povo de Deus, mas isto não é a verdade presente a ser levada às igrejas. — Mensagens Escolhidas 1:180. {EF 17.4} 
 Existe um trecho do livro “Eventos Finais” que acho interessante pois trás luz a este tema: 
 "Muitos há que não compreendem as profecias referentes aos nossos dias, e precisam ser esclarecidos. É dever, tanto do vigia como do leigo, dar à trombeta sonido certo. — Evangelismo, 194. {EF 16.2} 

Ergam os vigias agora a voz e dêem a mensagem que é verdade presente para este tempo. Mostremos ao povo onde nos encontramos na história profética. — Testemunhos Seletos 2:323. {EF 16.3} 

Deus estabeleceu, porém, um dia para o término da história deste mundo: “Será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então virá o fim.” A profecia se cumpre rapidamente. Mas, muito mais deve ser dito acerca destes assuntos tremendamente importantes. Perto está o dia em que será decidido para sempre o destino de toda alma. ... {EF 16.4} 

Deve-se fazer um grande esforço para manter este assunto perante o povo. O solene fato de que o dia do Senhor virá repentina e inesperadamente deve ser mantido não só perante as pessoas do mundo, mas também diante de nossas próprias igrejas. A terrível advertência da profecia é dirigida a toda alma. Ninguém julgue estar isento do perigo de ser apanhado de surpresa. Não permitais que a interpretação profética de pessoa alguma arrebate a convicção do conhecimento de ocorrências que revelam que este grande acontecimento está bem próximo. — Fundamentos da Educação Cristã, 335-336. {EF 16.5} 

Deixe-me falar sobre a citação do livro “Testemunhos Seletos, vol. 2. 
O título é “Despertar para a ação”. 
Deixe-me sublinhar algumas partes: 
 O povo deve ser despertado em relação aos perigos do tempo presente. Os atalaias estão adormecidos. Estamos com anos de atraso. Que os principais atalaias sintam a necessidade urgente de olharem por si mesmos, a fim de que não percam as oportunidades que lhes são dadas, de verem os perigos. {TS2 322.1} Se os dirigentes de nossas Associações não aceitarem agora a mensagem que Deus lhes envia, e não cerrarem fileiras para a ação, as igrejas sofrerão grande perda. Quando o atalaia, vendo vir a espada, dá à trombeta um sonido certo, o povo em toda a linha ecoa a advertência, e todos terão oportunidade de preparar-se para o conflito. Mas demasiadas vezes o líder tem ficado hesitando, como que dizendo: “Não nos apressemos demais. Pode haver engano. Devemos ter cuidado para não levantar alarme falso.” A própria hesitação e incerteza de sua parte como que está a dizer: “‘Paz e segurança!’ Não vos exciteis. Nada de alarmar-vos. Tem-se falado mais dessa questão da emenda religiosa do que ela merece. Esta agitação toda amainará.” Assim ele virtualmente nega a mensagem enviada de Deus, e a advertência que se destinava a despertar as igrejas, deixa de realizar sua obra. A trombeta do atalaia não dá sonido certo, e o povo não se prepara para a batalha. Que os atalaias cuidem não aconteça que, por sua hesitação e demora, almas sejam deixadas a perecer, e seu sangue seja requerido de sua mão. {TS2 322.2} 
Por muitos anos temos aguardado a imposição de uma lei dominical em nossa terra; e, agora que o movimento nos está sobre a cabeça, perguntamos: Cumprirá nosso povo seu dever na questão? Não poderemos ajudar a erguer a norma e chamar para a frente os que têm consideração pelos seus direitos e privilégios religiosos? Aproxima-se rápido o tempo em que os que preferem obedecer a Deus a obedecer ao homem serão levados a sentir a mão da opressão. Desonraremos, pois, a Deus conservando-nos silenciosos enquanto Seus santos mandamentos são pisados a pés? {TS2 323.1} 
Enquanto o mundo protestante está por sua atitude fazendo concessões a Roma, despertemos para compreender a situação e observar em seus verdadeiros lances a contenda ante nós. Ergam os vigias agora a voz e dêem a mensagem que é verdade presente para este tempo. Mostremos ao povo onde nos encontramos na história profética e procuremos despertar o espírito do verdadeiro protestantismo, acordando o mundo para a intuição do valor dos privilégios da liberdade religiosa por tanto tempo usufruídos. {TS2 323.2} 
Deus nos convida a despertarmo-nos, pois está perto o fim. Cada hora que passa é de atividade nas cortes celestiais, para preparar sobre a Terra um povo que faça sua parte nas grandes cenas que em breve se desenrolarão ante nós. Esses momentos que passam, e que de tão pouco valor se nos afiguram, estão pejados de interesses eternos. Estão a moldar o destino de almas para a vida eterna ou a eterna morte. As palavras que proferimos hoje aos ouvidos do povo, as obras que efetuamos, o espírito da mensagem que proclamamos, serão um cheiro de vida para vida ou de morte para morte. {TS2 323.3} 
 
Esse é o motivo pelo qual estudo as profecias e as coloco em uma linha de tempo para mostrar o tempo em que estamos vivendo. E chego a conclusão que estamos nos últimos dias de pecado nesse planeta. A volta de Jesus é iminente e devemos estar esperando como virgens prudentes. 

 “Ora, quando essas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai a vossa cabeça, porque a vossa redenção está próxima.” Lucas 21:28

quarta-feira, 3 de junho de 2020

Como Viver os Últimos Dias

PAVEL GOIA
Pavel Goia já sabia aos cinco anos de idade que Deus o havia chamado para cumprir uma missão. No entanto, quando chegou à adolescência, desfrutar a vida com seus amigos era bem mais importante do que a religião de sua família. Além do mais, a Romênia comunista era hostil ao cristianismo.
Deus captou sua atenção em uma noite inesperada, e sua vida deu uma reviravolta. Pavel fez uma aliança com Deus, e sua dedicação a essa aliança foi testada quase imediatamente. Ele, porém, permaneceu fiel. Muitos milagres se sucederam em favor desse jovem rapaz que confiou cada aspecto de sua vida a Deus.
Qual foi o resultado dessa constante lealdade a Deus? Mil e oitocentos quilos de vidros suspensos no ar em uma caixa sem fundo; uma lei aprovada pelo presidente Ceausescu que obrigou uma universidade a permitir que Pavel continuasse seus estudos; e um morto ressuscitado, só para citar alguns.
Sim, Deus ainda realiza grandes milagres!
Aconselho a leitura do livro com sua história:

Você encontrará muitos de seus sermões no Youtube. Assista, vale a pena.



sexta-feira, 29 de maio de 2020

O Conflito Terminou (ao final de 6.000 anos de pecado na Terra)

Artigo da Adventist Review (Revista Adventista dos Estados Unidos) de 13 de outubro de 2015
O Conflito Terminou
(The Controversy Ended)
por Ellen G. White
Ao fim dos mil anos, Cristo volta novamente à Terra. É acompanhado pelo exército dos remidos, e seguido por um cortejo de anjos. Descendo com grande majestade, ordena aos ímpios mortos que ressuscitem para receber a condenação. Surgem estes como um grande exército, inumerável como a areia do mar. […]

Cristo desce sobre o Monte das Oliveiras, […] Descendo do Céu a Nova Jerusalém em seu deslumbrante resplendor, repousa sobre o lugar purificado e preparado para recebê-la, e Cristo, com Seu povo e os anjos, entram na santa cidade. 

Agora Satanás se prepara para a última e grande luta pela supremacia. Enquanto despojado de seu poder e separado de sua obra de engano, o príncipe do mal se achava infeliz e abatido; mas, sendo ressuscitados os ímpios mortos, e vendo ele as vastas multidões a seu lado, revivem-lhe as esperanças, e decide-se a não render-se no grande conflito. Arregimentará sob sua bandeira todos os exércitos dos perdidos, e por meio deles se esforçará por executar seus planos. […]

Naquela vasta multidão há muitos que pertenceram à raça de grande longevidade que existiu antes do dilúvio; homens de estatura elevada e gigantesco intelecto, […] Há reis e generais que venceram nações, homens valentes que nunca perderam batalha, guerreiros orgulhosos, ambiciosos, cuja aproximação fazia tremer os reinos.

Satanás consulta seus anjos, e depois esses reis, vencedores e guerreiros poderosos. 
[…] Finalmente é dada a ordem de avançar, e o inumerável exército se põe em movimento. […] Com precisão militar as fileiras cerradas avançam pela superfície da Terra, quebrada e desigual, em direção à cidade de Deus. Por ordem de Jesus são fechadas as portas da Nova Jerusalém, e os exércitos de Satanás rodeiam a cidade, preparando-se para o assalto. 

 
Cristo Coroado, Julga

Agora Cristo de novo aparece à vista de Seus inimigos. Muito acima da cidade, sobre um fundamento de ouro polido, está um trono, alto e sublime. Sobre este trono assenta-Se o Filho de Deus, e em redor dEle estão os súditos de Seu reino. […] Na presença dos habitantes da Terra e do Céu, reunidos, é efetuada a coroação final do Filho de Deus. E agora, investido de majestade e poder supremos, o Rei dos reis pronuncia a sentença sobre os rebeldes contra Seu governo, e executa justiça sobre aqueles que transgrediram Sua lei e oprimiram Seu povo. Diz o profeta de Deus: “Vi um grande trono branco, e O que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a Terra e o céu; e não se achou lugar para eles. E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante do trono, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida; e os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras.” Apocalipse 20:11, 12.

Logo que se abrem os livros de registro e o olhar de Jesus incide sobre os ímpios, eles se tornam cônscios de todo pecado cometido. Vêem exatamente onde seus pés se desviaram do caminho da pureza e santidade, precisamente até onde o orgulho e rebelião os levaram na violação da lei de Deus. […]

O mundo ímpio todo acha-se em julgamento perante o tribunal de Deus, acusado de alta traição contra o governo do Céu. Ninguém há para pleitear sua causa; estão sem desculpa; e a sentença de morte eterna é pronunciada contra eles. […]

Satanás vê que sua rebelião voluntária o inabilitou para o Céu. Adestrou suas faculdades para guerrear contra Deus; a pureza, paz e harmonia do Céu ser-lhe-iam suprema tortura. Suas acusações contra a misericórdia e justiça de Deus silenciaram agora. A exprobração que se esforçou por lançar sobre Jeová repousa inteiramente sobre ele. E agora Satanás se curva e confessa a justiça de sua sentença. 

“Quem Te não temerá, ó Senhor, e não magnificará o Teu nome? Porque só Tu és santo; por isso todas as nações virão, e se prostrarão diante de Ti, porque os Teus juízos são manifestos.” Apocalipse 15:4. Todas as questões sobre a verdade e o erro no prolongado conflito foram agora esclarecidas. […] As próprias obras de Satanás o condenaram. A sabedoria de Deus, Sua justiça e bondade, acham-se plenamente reivindicadas. […]

Fire From The Sky — Fulcrum7
O Mal Erradicado

De Deus desce fogo do céu. A terra se fende. […] As próprias rochas estão ardendo. 
[…] Os ímpios recebem sua recompensa na Terra. Provérbios 11:31. “Serão como a palha; e o dia que está para vir os abrasará, diz o Senhor dos exércitos.” Malaquias 4:1. […]
Está para sempre terminada a obra de ruína de Satanás. Durante seis mil anos efetuou a sua vontade, enchendo a Terra de miséria e causando pesar por todo o Universo. […] Agora as criaturas de Deus estão para sempre livres de sua presença e tentações. […] Enquanto a Terra está envolta nos fogos da destruição, os justos habitam em segurança na Santa Cidade. Sobre os que tiveram parte na primeira ressurreição, a segunda morte não tem poder. Ao mesmo tempo em que Deus é para os ímpios um fogo consumidor, é para o Seu povo tanto Sol como Escudo. Apocalipse 20:6Salmos 84:11.


Perguntas para refletir e compartilhar
1.     Ao olhar para frente para o fim do pecado, existe alguma coisa que te deixa com medo? O que seria?
2.     Qual é o significado de Jesus levar as marcas de sua cruxificação por toda a eternidade? 
3.     Para você, qual é a melhor parte de viver na presença de Deus?

“Vi um novo céu, e uma nova Terra. Porque já o primeiro céu e a primeira Terra passaram.” Apocalipse 21:1. O fogo que consome os ímpios, purifica a Terra. Todo vestígio de maldição é removido. Nenhum inferno a arder eternamente conservará perante os resgatados as terríveis conseqüências do pecado.

 Wednesday: "A New Heaven and a New Earth" | Sabbath School Net
Somente Uma Lembrança
Apenas uma lembrança permanece: nosso Redentor sempre levará os sinais de Sua crucifixão. Em Sua fronte ferida, em Seu lado, em Suas mãos e pés, estão os únicos vestígios da obra cruel que o pecado efetuou. […] E os sinais de Sua humilhação são a Sua mais elevada honra; através das eras intérminas os ferimentos do Calvário Lhe proclamarão o louvor e declararão o poder. 

“E a ti, ó torre do rebanho, monte da filha de Sião, a ti virá; sim, a ti virá o primeiro domínio.” Miquéias 4:8. Chegado é o tempo, para o qual santos homens têm olhado com anseio desde que a espada inflamada vedou o Éden ao primeiro par — tempo “para a redenção da possessão de Deus.” Efésios 1:14. A Terra, dada originariamente ao homem como seu reino, traída por ele às mãos de Satanás, e tanto tempo retida pelo poderoso adversário, foi recuperada pelo grande plano da redenção. Tudo que se perdera pelo pecado foi restaurado. […]

“O meu povo habitará em morada de paz, e em moradas bem seguras, e em lugares quietos de descanso.” “Nunca mais se ouvirá de violência na tua Terra, de desolação ou destruição nos teus termos; mas aos teus muros chamarás salvação, e às tuas portas louvor.” “Edificarão casas, e as habitarão; e plantarão vinhas, e comerão o seu fruto. Não edificarão para que outros habitem; não plantarão para que outros comam; ... os Meus eleitos gozarão das obras das suas mãos.” Isaías 32:1860:1865:21, 22
[…]
A dor não pode existir na atmosfera do Céu. Ali não mais haverá lágrimas, cortejos fúnebres, manifestações de pesar. “Não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, ... porque já as primeiras coisas são passadas.” Apocalipse 21:4.

Is it true that there is a New Jerusalem in heaven? | Biblword.net 
Glórias da Eternidade
Ali está a Nova Jerusalém, a metrópole da nova Terra glorificada, […] Na cidade de Deus “não haverá noite.” Ninguém necessitará ou desejará repouso. Não haverá cansaço em fazer a vontade de Deus e oferecer louvor a Seu nome. Sempre sentiremos a frescura da manhã, e sempre estaremos longe de seu termo. “Não necessitarão de lâmpada nem de luz do Sol, porque o Senhor Deus os alumia.” Apocalipse 22:5. A luz do Sol será sobrepujada por um brilho que não é ofuscante e, contudo, suplanta incomensuravelmente o fulgor de nosso Sol ao meio-dia. A glória de Deus e do Cordeiro inunda a santa cidade, com luz imperecível. Os remidos andam na glória de um dia perpétuo, independentemente do Sol. 
“Nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor Deus todo-poderoso, e o Cordeiro.” Apocalipse 21:22. O povo de Deus tem o privilégio de entreter franca comunhão com o Pai e o Filho. […] Estaremos em Sua presença, e contemplaremos a glória de Seu rosto. 

Ali os remidos conhecerão como são conhecidos. O amor e simpatias que o próprio Deus plantou na alma, encontrarão ali o mais verdadeiro e suave exercício. […]

Ali, mentes imortais contemplarão, com deleite que jamais se fatigará, as maravilhas do poder criador, os mistérios do amor que redime. […] A aquisição de conhecimentos não cansará o espírito nem esgotará as energias. Ali os mais grandiosos empreendimentos poderão ser levados avante, alcançadas as mais elevadas aspirações, as mais altas ambições realizadas; e surgirão ainda novas alturas a atingir, novas maravilhas a admirar, novas verdades a compreender, novos objetivos a aguçar as faculdades do espírito, da alma e do corpo. 

Todos os tesouros do Universo estarão abertos ao estudo dos remidos de Deus. Livres da mortalidade, alçarão vôo incansável para os mundos distantes — mundos que fremiram de tristeza ante o espetáculo da desgraça humana, e ressoaram com cânticos de alegria ao ouvir as novas de uma alma resgatada. Com indizível deleite os filhos da Terra entram de posse da alegria e sabedoria dos seres não-caídos. […]

E ao transcorrerem os anos da eternidade, trarão mais e mais abundantes e gloriosas revelações de Deus e de Cristo. Assim como o conhecimento é progressivo, também o amor, a reverência e a felicidade aumentarão. Quanto mais aprendem os homens acerca de Deus, mais Lhe admiram o caráter. Ao revelar-lhes Jesus as riquezas da redenção e os estupendos feitos do grande conflito com Satanás, a alma dos resgatados fremirá com mais fervorosa devoção, e com mais arrebatadora alegria dedilharão as harpas de ouro; e milhares de milhares, e milhões de milhões de vozes se unem para avolumar o potente coro de louvor.

“E ouvi a toda a criatura que está no Céu, e na Terra, e debaixo da terra, e que está no mar, e a todas as coisas que neles há, dizer: Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graças, e honra, e glória, e poder para todo o sempre.” Apocalipse 5:13.

 O Evangelho Eterno: O PARAÍSO BÍBLICO - Um Novo Céu e uma Nova Terra
O grande conflito terminou. Pecado e pecadores não mais existem. O Universo inteiro está purificado. Uma única palpitação de harmonioso júbilo vibra por toda a vasta criação. Daquele que tudo criou emanam vida, luz e alegria por todos os domínios do espaço infinito. Desde o minúsculo átomo até ao maior dos mundos, todas as coisas, animadas e inanimadas, em sua serena beleza e perfeito gozo, declaram que Deus é amor. (O Grande Conflito, Cap. 42 – p. 662 – 678)



sábado, 16 de maio de 2020

Autoridade dos Escritos de Ellen G. White

Autoridade dos Escritos de Ellen G. White



Ao longo de sua vida, Ellen White demonstrou ser a “mensageira do Senhor” tanto pelos muitos escritos sobre saúde, educação, conhecimento bíblico como por seu estilo de vida. Por isso, a partir deste ponto, destacaremos citações que ela fez sobre os acontecimentos finais e o tempo em que ocorrerão.
“Os Adventistas do Sétimo Dia não colocam os escritos de Ellen White no mesmo nível das Escrituras” (ARRAIS, Jonas, Ellen G. White’s Ministry, Review and Herald, Hagerstown MD, Elder’s Digest, October/December 2014, p. 9.), mas então qual seria a autoridade dos escritos de Ellen White?
Denton E. Rebok em seu livro Crede em Seus Profetas, a partir da página 58, descreve a posição da própria Ellen. G. White quanto aos seus escritos: “Não escrevo na revista um artigo que exprima meramente minhas próprias ideias. Eles são o que Deus tem me tem revelado em visão – os preciosos raios de luz a irradiarem do trono.” (WHITE, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 27)
“A irmã White não é originadora desses livros. Eles contém as instruções que durante a obra de sua vida Deus lhe tem estado a dar. Encerram a preciosa luz confortadora que Deus tem dado graciosamente à Sua serva para ser dada ao mundo”. (Idem, O Colportor Evangelista, Tatuí, Casa Publicadora Brasileira, p. 125.)
 Denton conclui dizendo: “Em tudo isso, Ellen G. White reivindicava para si própria a mesma inspiração do Espírito Santo que moveu os antigos profetas a escreverem o que chamamos agora a Bíblia. As mensagens eram de Deus. A ela, da mesma maneira que aos antigos escritores bíblicos, ‘veio a Palavra do Senhor.’” (REBOK, Denton E., Crede em Seus Profetas, Tatuí, Casa Publicadora Brasileira, 1998, p. 161.)

Deus, Criador e Senhor da natureza e da história tem o direito de exercer autoridade sobre toda a humanidade (Is 45:22, 23), no entanto, nos tempos do Antigo Testamento, Deus delegou Sua autoridade a certas pessoas, que eram chamadas profetas, e Se comunicava com eles por meio de sonhos e visões (Nm 12:6). No Novo Testamento, o próprio Jesus delegou Sua autoridade aos Seus discípulos e outros profetas do Novo Testamento. Paulo pode dizer em 1 Tessalonicenses 2:13: “Ao receberem de nossa parte a palavra de Deus, vocês a aceitaram, não como palavra de homens, mas conforme ela verdadeiramente é, como palavra de Deus”. Esses profetas falaram inspirados por Deus e o povo de Deus os aceitou como mensageiros de Deus.
      Nem todos os escritos proféticos estão na Bíblia, pois muitos se perderam ao longo do tempo. São conhecidos porque são citados na Bíblia Sagrada (2Cr 9:29). O apóstolo Paulo escreveu uma série de cartas que também foram perdidas, por exemplo sua carta aos Laodiceanos (Cl 4:16) ou sua primeira carta aos Coríntios (1Co 5:9). Embora não estejam naBíblia, certamente foram inspirados por Deus e úteis para o povo que recebeu as mensagens em seu tempo.

Mas o que podemos dizer dos escritos de Ellen G. White? Que autoridade teriam seus escritos? Seriam seus escritos tão inspirados quanto aos dos profetas da Bíblia Sagrada?

As Escrituras são a mensagem de Deus para todo o tempo e todas as pessoas. É a vara de medir, a medida padrão, pela qual tudo deve ser auferido. É a diretriz suprema para todos os cristãos. Os escritos de Ellen White, por outro lado, são mensagens de Deus para um povo em particular – Sua igreja remanescente, em um momento particular da história – o tempo do fim. Seus escritos não são uma norma nova ou adicional de doutrina, mas uma ajuda para a igreja no tempo do fim. Por isso os seus escritos têm uma finalidade diferente da Escritura, eles são ‘a luz menor para guiar à luz maior’. (PFANDL, Gerhard, The Authority of Ellen G. White Writtings, <https://adventistbiblicalresearch.org/materials/adventist-heritage/authority-ellen-g-white-writings> Acesso em 12 de janeiro de 2014. (Tradução própria.)

Em 1982, a Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia emitiu um comunicado de afirmações e negações em relação aos escritos de Ellen White. (O artigo completo pode ser encontrado na revista Ministry, de agosto de 1982.)
Esse artigo informa: “Cremos que Ellen White foi inspirada pelo Espírito Santo, e que seus escritos, o produto dessa inspiração, são aplicáveis ​​de forma autoritária especialmente para adventistas do sétimo dia.”
O artigo também deixa claro que “enquanto a qualidade ou grau de inspiração dos escritos de Ellen White não é diferente do que das Escrituras, os adventistas do sétimo dia não creem que os escritos de Ellen White sejam um acréscimo ao cânon das Sagradas Escrituras.”

Os adventistas do sétimo dia rejeitam a ideia de que existem graus de inspiração. Eles creem que Ellen White foi a mensageira de Deus e que foi inspirada, assim como os profetas do Antigo e do Novo Testamentos. Portanto, se Ellen White foi inspirada como os profetas do Antigo e Novo Testamentos, que autoridade devem ter seus escritos? A resposta só pode ser: Eles têm a mesma autoridade que os escritos dos profetas não canônicos tiveram para seu tempo. (PFANDL, Gerhard, The Authority of Ellen G. White Writtings, <https://adventistbiblicalresearch.org/materials/adventist-heritage/authority-ellen-g-white-writings> Acesso em 12 de janeiro de 2014. (Tradução própria.)

Ou seja, a mesma autoridade que tiveram os livros do profeta Natã, Ido, as cartas escritas por Paulo e que não constam nas Escrituras e que, no entanto, foram inspiradas por Deus.
Para não haver dúvidas sobre sua inspiração, ela mesma escreveu:  

 Ou Deus está ensinando Sua igreja, reprovando seus erros e fortalecendo a sua fé, ou não está. Esta obra ou é de Deus ou não é. Deus não faz nada em parceria com Satanás. Meu trabalho, ao longo dos últimos trinta anos, traz o selo de Deus ou o do inimigo. Não há meio-termo nesta questão. Os Testemunhos são do Espírito de Deus, ou do diabo. (WHITE, Testemunhos Para a Igreja, v. 4, p. 229.)

         Em uma carta para a igreja de Battle Creek, ela escreveu: “Não escrevo um artigo sequer, na revista, expressando meras ideias minhas. Correspondem ao que Deus me revelou em visão – os preciosos raios de luz que brilham do trono.” (Testemunhos Para a Igreja, v. 5, p. 67.)

O motivo pelo qual suas palavras têm autoridade é por causa de sua origem, ou de sua fonte divina. Para os que se recusaram aceitar seus ensinos como tendo autoridade divina ela disse:

Não obstante, quando vos mando um testemunho ou advertência e reprovação muitos de vós declarais ser simplesmente a opinião da irmã White. Tendes assim insultado o Espírito de Deus. Sabeis como o Senhor Se tem manifestado por meio do Espírito de Profecia. (Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 27.)

Ao mesmo tempo, ela enfatiza a submissão à Bíblia, a qual ela chama de “luz maior”. (O Colportor Evangelista, p. 125.) Ela ainda escreveu: “Temos que receber essa Palavra como autoridade suprema” (Atos dos Apóstolos, p. 38.), e “As Santas Escrituras devem ser aceitas como autorizada e infalível revelação de Sua vontade. Elas são a norma do caráter, o revelador das doutrinas, a pedra de toque da experiência religiosa.” (E Recebereis Poder, Meditação Matinal, Tatuí, Casa Publicadora Brasileira, 1999, p. 224.)
Todavia, o fato de que Deus revelou Sua vontade aos homens por meio de Sua Palavra, não tornou desnecessária a contínua presença e direção do Espírito Santo. Ao contrário, o Espírito foi prometido por nosso Salvador para aclarar a Palavra a Seus servos, para iluminar e aplicar os Seus ensinos. (O Grande Conflito, Tatuí, Casa Publicadora Brasileira, 1987, p. 9.)

Podemos afirmar que a Igreja Adventista do Sétimo Dia considera Ellen G. White tão inspirada quanto o foi João ou Daniel, pois seus escritos vêm da mesma fonte divina.

Desde seu início, a Igreja Adventista do Sétimo Dia tem reconhecido o enorme valor e autoridade dos escritos de Ellen White. Já em 1855, a liderança do Movimento Adventista publicamente afirmou que eles consideravam os escritos de Ellen White como vindo de Deus. Por isso, “temos de reconhecer-nos na obrigação de respeitar os seus ensinamentos, e ser corrigidos por suas admoestações” (RH, 4 de dezembro de 1855). Desde então, as reuniões da Conferência Geral quando em sessão, de tempos em tempos, emitiram declarações expressando confiança nos escritos de Ellen White, “como ensinamentos do Espírito de Deus” (RH, 14 de fevereiro de 1871). Em 1980, a Conferência Geral em sessão, em Dallas, Texas, votou a adoção das 27 crenças fundamentais (atualmente são 28).
Podemos encontrar essa decisão no Manual da Igreja Adventista do Sétimo Dia, onde lemos:

Um dos dons do Espírito Santo é a profecia. Este dom é um sinal identificador da igreja remanescente, e foi manifestado no ministério de Ellen G. White. Como a mensageira do Senhor, seus escritos são uma contínua e autorizada fonte de verdade que proporciona conforto, orientação, instrução e correção à igreja. Eles também tornam claro que a Bíblia é a norma pela qual deve ser provado todo ensino e experiência. (Manual da Igreja Adventista do 7º Dia, Tatuí, Casa Publicadora Brasileira, 20ª edição, 2006, p. 15.)

Na Revista Adventista de junho de 1982, foram publicados diversos artigos sobre Ellen G. White. Em uma entrevista com o Pr. Elbio Pereyra, na época, secretário associado do “Patrimônio Literário de Ellen White”, quando lhe foi perguntado se a inspiração de Ellen White é igual à dos profetas bíblicos, ele respondeu:

A Sra. White diz que algumas pessoas em Battle Creek estavam classificando a inspiração em dois graus: um inferior e outro superior. Então ela escreveu dizendo que não existe tal coisa. A Igreja Católica, a partir do Concílio de Trento, passou a admitir um grau inferior de inspiração nos livros apócrifos. Mas a Igreja Adventista não admite graus de inspiração. O assunto é inspirado ou não. (PEREYRA, Elbio, Revelação e Inspiração, Casa Publicadora Brasileira, Santo André, Revista Adventista, p. 12, junho de 1982.)

O Pr. Alberto R. Timm, que foi por muito tempo diretor do “Centro de Pesquisas Ellen G. White” do Brasil, em sua apostila “Orientação Profética na Igreja Adventista do Sétimo Dia”, diz que

A autoridade dos escritos de Ellen G. White” tem “inspiração semelhante à das Escrituras. Não existem diferentes graus de inspiração.” Também a “autoridade profética é semelhante à das Escrituras. Não existem diferentes graus de autoridade profética. Rejeitar a mensagem de um profeta do Senhor significa rejeitar o próprio Senhor que a enviou (cf Lc 10:16)”. Mas a “função é diferente das Escrituras: a Bíblia” foi e é “para todos os tempos e lugares”; Ellen White aplica-se ao tempo do fim e à Igreja Adventista do Sétimo Dia. (TIMM, Alberto R., Orientação Profética na Igreja Adventista do Sétimo Dia, Engenheiro Coelho, Centro Universitário Adventista de São Paulo, 2002, p. 22.)

É um grande privilégio ter à nossa disposição mensagens vindas de Deus através de Sua mensageira, embora este privilégio envolva grande responsabilidade.

Nas balanças do santuário há de ser pesada a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Ela será julgada pelos privilégios e vantagens que tem gozado. Se sua experiência espiritual não corresponde às vantagens que, a preço infinito, Cristo lhe concedeu; se as bênçãos que lhe foram conferidas não a habilitarem para fazer a obra que lhe foi confiada, sobre ela será pronunciada a sentença: “Achada em falta”. Pela luz que lhe foi concedida, pelas oportunidades dadas, será ela julgada. (WHITE, Eventos Finais, p. 59.)

Considero os Testemunhos um grande privilégio para os adventistas do sétimo dia, pois eles têm acesso a muito mais informação.
Sabendo disso, Satanás tem procurado enfraquecer a fé nos Testemunhos. É comum ouvir de irmãos Adventistas as seguintes desculpas:
·       Isto foi escrito para o tempo dela.
·       O que realmente ela quis dizer não é bem isso.
·       O Espírito de Profecia é um mar de onde pode se pinçar o que quiser.
·       Isto é algo que deverá ser levado em conta apenas no final.

O plano de Satanás é enfraquecer a fé do povo de Deus nos Testemunhos. Em seguida vem o cepticismo no tocante aos pontos vitais de nossa fé, as colunas de nossa posição, depois as dúvidas acerca das Escrituras Sagradas, e então a caminhada descendente para a perdição. (Eventos Finais, p. 178)


        Adora a Deus; porque o testemunho de Jesus é o espírito de profecia.
                                                                                   Apocalipse 19:10


domingo, 10 de maio de 2020

6.000 anos se completando, você está preparado?

"O grande conflito entre Cristo e Satanás, que tem prosseguido durante quase seis mil anos, logo deve terminar; e o maligno redobra seus esforços para frustrar a obra de Cristo em prol do homem, e prender as almas em suas ciladas. Reter o povo em trevas e impenitência, até que termine a mediação do Salvador e não mais haja sacrifício pelo pecado, é o objetivo que ele procura realizar." (O Grande Conflito, p. 518) {GC 518.1}

(O vídeo é longo, mas vale a pena.)